TECNOLOGIA
Mais Lidas
24H

Baiano Lucas Ferreira, o Ratto, vence campeonato mundial de capoeira; confira galeria

A final da competição Red Bull Paranauê aconteceu na tarde de hoje, no Farol da Barra

Juliana Montanha (juliana.montanha@redebahia.com.br)
Atualizado em 28/01/2017 21:15:27

Dezesseis capoeiristas em busca de um título: ser o mais completo do mundo. Para vencer a primeira edição do Red Bull Paranauê, que aconteceu no Farol da Barra na tarde de ontem, não era preciso ser apenas um bom capoeirista, mas demonstrar que sabe jogar e tem ginga em três dos principais segmentos da luta: angola, regional e contemporânea. Para avaliar o estilo e precisão dos golpes dos participantes, seis mestres - dois especialistas em cada tipo de toque - foram convidados: Nenel, Itapuã, Jogo de Dentro, Vírgilio, Paulinho Sabiá e Capixaba.

E o público de baianos e turistas, que vibraram a cada movimento mais ousado, viram um soteropolitano, Lucas Ferreira, o “Ratto”, ser campeão. “É muito importante para mim ser primeiro vencedor do campeonato. Não me vejo como um campeão da capoeira, mas um campeão da competição”, disse o atleta de 31 anos.

  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO ) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO )
  • (Foto: Arisson Marinho/CORREIO) (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

A torcida, segundo Ratto, fez toda a diferença para a vitória dele. “Eu estava em casa, né? Meu apelido é rato porque sou um rato de roda. Estava aqui com meus amigos na plateia também e foi muito bom sentir essa energia”, comemorou.

A turista catarinense Alessandra Espinola, 42 anos, não tinha um participante favorito, mas estava torcendo por todos.  “Soube pela internet do campeonato e vim para assitir. Gosto muito de capoeira e achei o evento bem massa. Acredito que esse tipo de evento é muito bom para divulgar a capoeira”.

Já o casal de  capoeiristas Erica Almeida e Edson Negrete compareceram ao evento com o filho Denen, de 3 anos, para torcer pela baiana Débora Pérola, única participante feminina da competição. “É importante ver a capoeira acontecendo no berço dela e ver ela ser levada para vários outros países. Como mulher, me senti representada por ela”, disse.

O campeonato Red Bull Paranauê contou com o apoio da Prefeitura de Salvador, por meio da Empresa Salvador Turismo, a Saltur. “É muito  importante poder unir esse conteúdo que temos que é o patrimônio imaterial da capoeira  com a  ação de promoção da cidade”, declarou o presidente do órgão, Isaac Edington.

“Através de toda a plataforma da Red Bull, temos uma cobertura internacional que ajuda a levar a imagem de Salvador para fora do Brasil. O evento foi uma ótima oportunidade de valorizar as iniciativas que fazem todo o sentido para nossa cultura e promover, ao mesmo tempo, a nossa cidade para o mundo”, completou Edington.

A curadoria do evento ficou por conta do Mestre Sabiá, com 30 anos de experiência em capoeira. “Na minha avaliação,  a grande campeã do Red Bull Paranauê é a própria capoeira. Ela  precisa ocupar novos espaços com um olhar diferenciado e esse evento cria essa possibilidade”, disse Sabiá.

“A capoeira é esporte, é arte, é dança, é cultura. Ela é muito complexa, com um universo muito grande, é difícil dizer quem é o melhor, mas é possível mostrar o mais completo”, explicou.  Segundo o Mestre, a expectativa é que o evento  continue acontecendo, com seletivas em diverss partes do mundo.

Como prêmio pela vitória, Ratto ganhou três dias na academia do Mestre João Grande em Nova York (EUA).

publicidade

Últimas

+ Notícias