TECNOLOGIA
Mais Lidas
Darino Sena

Darino Sena: Falta repertório ao Vitória de Argel

Darino Sena (darino.sena@gmail.com)
Atualizado em 18/04/2017 08:04:38

Minha coluna da semana passada foi publicada na internet sob o título “Vitória mostrou que tem um time melhor do que o Bahia”. Eu não escrevi isso. Eu disse que o primeiro Ba-Vi do ano deixou evidente que o rubro-negro tinha melhores jogadores, e não que o time de Argel era melhor. Enquanto equipes, coletivamente, Bahia e Vitória se equivalem na atual temporada, até aqui. Estão nivelados por baixo. A diferença no clássico foi a qualidade individual do Vitória, que é superior. Ter mais jogadores decisivos foi determinante. Mas, no aspecto coletivo, o Leão deixou a desejar. E não só no Ba-Vi, apesar de ter saído vencedor. 

Os dois jogos imediatamente seguintes voltaram a mostrar as fragilidades do time de Argel Fucks - a derrota em casa diante do Paraná (0x2), pela Copa do Brasil; e o empate fora, no sufoco, contra o Vitória da Conquista (1x1), na semifinal do Campeonato Baiano.

O principal problema é a criação. Falta repertório. Quando encontra uma marcação eficiente, o Vitória trava. Os jogadores pouco se aproximam para trocar passes e, consequentemente, criar brechas no bloqueio adversário. Por isso, o time apela constantemente para a ligação direta da defesa para o ataque e para os cruzamentos na área. O meio de campo mal participa do jogo.

Contra oponentes fracos, funciona, até porque a tal superioridade técnica se impõe. Pode até dar certo também contra adversários do mesmo nível, como contra Bahia e Vasco, os rivais mais fortes no ano até aqui. Mas não vai dar certo sempre, nem contra equipes tecnicamente inferiores. Paraná e Vitória da Conquista provaram isso. E o empate contra o Bode veio só no último minuto dos acréscimos, graças a um chuveirinho aproveitado por André Lima.

Travar diante de equipes bem postadas e que não saem pro jogo é uma tônica das equipes treinadas por Argel. Eficientes no jogo reativo, de contra-ataques, os times de Argel não mantêm o desempenho quando precisam tomar a iniciativa. A nova diretoria do Vitória sabia dessa deficiência de Fucks e, mesmo assim, manteve o treinador. Acreditou que Argel poderia superar as próprias limitações, mostrando, com o tempo, maior diversificação. Será que eles ainda acreditam? 

No segundo tempo contra o Bahia, o Vitória não mostrou capacidade sequer de organizar contra-golpes, a especialidade de Argel. Foi quando o rival tinha um homem a menos, foi pra cima no desespero e o Vitória, em vez de ampliar os 2x0, sofreu um gol e tomou pressão.

Argel já percebeu a inoperância do seu meio de campo, mas não tem mostrado capacidade para mudar isso. Nos últimos jogos ele tem sempre trocado o meia central do seu 4-2-3-1. Cleiton Xavier, o dono da posição, tem dado lugar a Gabriel Xavier e ao garoto Jhemerson. O problema não é a peça. É a engrenagem. Apesar das mudanças, continua faltando aproximação no momento ofensivo e uma participação maior dos volantes na criação das jogadas. Os pontas também aparecem pouco para o jogo por dentro. Isso não se resolve apenas substituindo os jogadores. É preciso organizar o time melhor. O rubro-negro tem sido um time previsível, de pouca mobilidade e fácil de marcar.

Argel precisa mostrar que é capaz não só de diagnosticar, mas de resolver o problema. O Vitória depende disso para não derrapar nas retas finais do Baiano e do Nordeste e, principalmente, na largada do Brasileirão. Argel depende disso para manter o emprego.

Lateral

Escalado sempre por, supostamente,  ser bom defensor, Geferson foi o pior jogador do Ba-Vi. Mal posicionado, permitiu as jogadas mais perigosas do Bahia, inclusive o gol. Bom no apoio, de fato, Euller continua péssimo na defesa - vide o drible que tomou no segundo gol do Paraná. Não dá para contar com um lateral que é bom só no apoio e outro que é bom na defesa só na teoria. O Vitória precisa de um camisa 6.

Darino Sena é jornalista e escreve às terças-feiras.

publicidade

Últimas

+ Notícias