TECNOLOGIA
Mais Lidas
Imóveis

Ostentação ou necessidade? Piscinas valorizam imóveis em até 45%

A necessidade de equipamentos de lazer em um empreendimento é uma demanda cada vez maior do setor imobiliário

Jorge Gauthier (jorge.souza@redebahia.com.br)
Atualizado em 22/06/2015 10:34:21

O que para muitos pode parecer ostentação, para a professora Helena Sousa, 39 anos,  é diversão: a piscina do condomínio. “Há cinco anos atrás quando vi no folheto de propaganda do prédio  a imagem de uma mulher deitada na beira da piscina não tive dúvidas de que queria isso para mim. Comprei o apartamento só por causa da piscina. O melhor é que eu podia fazer”, conta. 

Além do conforto, o item ainda traz valor para o imóvel que pode chegar a até 45%. “A valorização de um imóvel com piscina vai de cerca de 35% a 45% em 2 anos. A piscina sempre foi um diferencial e item indispensável em qualquer empreendimento. No Mansão Bahiano de Tênis, por exemplo,  que está sendo erguido na Graça, há três: uma semiolímpica com raia de 25 metros  aquecida e coberta; uma para adulto e para criança”, diz o gerente comercial da Moura Dubeux, André Sampaio.

(Foto: Divulgação)

Rodrigo Dratovsky, diretor-geral da Via Célere no Brasil, destaca que se o empreendimento não conta com este item de lazer, facilmente não agradará os clientes que querem esse tipo de conforto. “Hoje, pela a dificuldade de se deslocar dentro da cidade e a insegurança, a maioria dos clientes prefere ter os espaços de lazer dentro do próprio empreendimento”, explica o dirigente.

Dratovsky argumenta que  piscina continua sendo um item básico e indispensável, seja em projetos mais simples, como os do Minha Casa Minha Vida, com projetos mais sofisticados. “ O que vai diferenciar é o tamanho e suas características, algumas são de dimensões equivalentes às piscinas destinadas à prática de natação com raias de até 25 metros”, ressalta.

A tendência é seguida por praticamente todas as construtoras e incorporadoras. É o caso por exemplo do residencial Flor de Liz, da Liz Construções, em Pernambués; do residencial Meu Apê Salvador Norte, da Via Célere, e também do recém-lançado residencial La Vue das empresas parceiras Cosbat Empreendimentos e Viva Realizações Imobiliárias.

Todos os empreendimentos da MRV Engenharia na Bahia, por exemplo,  têm piscina. Apenas o empreendimento Sun Park não possui esse item, devido ao tamanho do condomínio. “Sem dúvidas, a piscina é o item mais cobrado pelo cliente na hora da compra, ainda mais por conta do clima da cidade.

O item diferencial auxilia na qualidade de vida dos clientes da MRV e propõe bons momentos em família. Esse  item de lazer é um atrativo para a compra, para criar desejo no comprador, e não na valorização no preço do imóvel. Não é cobrada nenhuma taxa a mais pelo item, mas ele, sem dúvidas, influencia o comprador na hora de fechar o negócio”, argumenta  Luis Felipe Monteiro, gestor de vendas da MRV na Bahia.

Segundo o presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (Ademi-BA), Luciano Muricy Fontes, a necessidade de equipamentos de lazer em um empreendimento é uma demanda cada vez maior do setor imobiliário.

“O empreendedor, praticamente já coloca na previsão da obra estes investimentos em infraestrutura e espaços de lazer. Se por acaso, algum empreendimento lançado hoje não contar com isso, com certeza, terá dificuldades em comercializá-lo”, afirma.

De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis do Estado da Bahia (Sindimóveis), Márcio Bulhões, os espaços de lazer  costumam agregar um valor que vai além dos benefícios de entretenimento para quem faz questão de se divertir no próprio condomínio ou apartamento que reside.  

“Na verdade, tudo que se agrega tem um preço. A infraestrutura hoje, acredito que seja um dos itens de fundamental importância que as pessoas levam em consideração ao adquirir um imóvel”, argumentou Bulhões.  

No entanto, a comodidade pode custar um pouco mais, não só no valor do imóvel, mas também na taxa de condomínio, como explica o corretor. “A comodidade pode acabar encarecendo a taxa de condomínio. Em compensação,  você tem um item de lazer e vai estar pagando por algo que utilizará bastante”.

Ainda segundo ele,  a diferença no valor, compensa.  “Todo item de lazer que você tem em um empreendimento vai agregar felicidade aos moradores. Se você for comprar com um imóvel antigo, por exemplo, esta diferença vai vir em forma de taxa extra para reformas e manutenção”, destacou.

publicidade

Economia

+ Mais